O impacto da participação

Temos muitas opções para vivenciar uma experiência e dentre elas, podemos facilmente identificar a que mais nos agrada ou a que recorremos com mais facilidade e frequência.

Podemos nem mesmo perceber, mas fazemos uma escolha pela maneira de vivenciar: Escolhemos como vamos participar.

Em algumas situações, a escolha é por observar e em outras por criticar, em algumas outras, formar grupos de torcida (ou vaia) e assim interagimos com os acontecimentos. Em situações específicas a escolha é de manter distância, ignorar.

E quando é que decidimos participar? Estar totalmente envolvido e comprometido com os resultados que serão gerados?

Decidimos participar, quando percebemos e sentimos que a situação é importante, quando priorizamos aquele momento e abrimos mão de todo o restante.

Em uma conversa, o nível de participação define a qualidade da comunicação e assim, do entendimento.
Em uma refeição, o nível de participação define o nível de apreciação e assim, do prazer.
Em um relacionamento, o nível de participação define o nível de envolvimento, compreensão, interesse e assim, da prosperidade.
Em um trabalho, o nível de participação define o nível de entrega, comprometimento, dedicação e assim, dos resultados.

Muitas vezes em nossas vidas estamos obtendo resultados insatisfatórios, com níveis de realização muito abaixo do que esperamos e portanto, procuramos por soluções, “milagres” que tragam novos e melhores resultados.

Em algum momento dessa busca precisaremos estar em contato com a qualidade de nossa participação. O quanto estamos realmente participando, vivenciando com plenitude o que nos dispomos a fazer?

Existem várias frases e pensamentos que nos alertam para a qualidade de nossa participação. Cito uma que busco ter sempre em mente como meio de alerta a meus hábitos:

“Põe quanto és no mínimo que fazes.”

Parte de belíssimo poema de Fernando Pessoa.

Põe quanto És no Mínimo que Fazes

Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.

Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
No mínimo que fazes.

Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive

Ricardo Reis, in “Odes”
Heterónimo de Fernando Pessoa

Que sua escolha seja constante por ser parte do elenco principal, estrela ou não, pouco importa. Contribua, dê o seu melhor.

Deixe seu comentário